Neste site colabora com a(s) seguinte(s) biografia(s):

Glauber Rocha

Ivana Bentes



Nasceu em Parintins, uma ilha no meio do rio Amazonas, em 1964. Morou com a família em Manaus (capital do Amazonas) e Rio Branco (Acre). Em 1981 veio estudar no Rio de Janeiro, no colégio interno Santa Marcelina. Em 1982 entrou na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para fazer jornalismo e seguiu na carreira acadêmica.

Fez formação complementar no curso de Filosofia da UFRJ e foi graças a um pensador contemporâneo (Gilles Deleuze) que descobriu que a filosofia não era a exegese das notas de pé de página da Crítica da Razão Pura de Kant e que podia ser uma aventura pelas artes, pela literatura e pelo cinema.

Assim começou a escrever sobre cinema em 1986, na revista Tabu, do Cineclube Estação Botafogo, onde fez sua formação cinematográfica. De 1991 a 1994, foi redatora do caderno Idéias, suplemento literário do Jornal do Brasil.
Pesquisadora na área de comunicação com ênfase nas questões relativas aos efeitos das mídias e da produção audiovisual na cultura contemporânea, fez graduação, mestrado e doutorado na Escola de Comunicação da UFRJ, onde, hoje, é professora dos curso de graduação e pós-graduação e foi coordenadora do curso de Rádio e Televisão.
Concluiu o Mestrado em Comunicação em 1991, com a tese Percepção e Verdade: da Filosofia ao Cinema, em que relaciona a produção e percepção das imagens a questões estéticas, políticas e filosóficas. Concluiu o Doutorado em Comunicação em 1997 com a tese Teoria e Biografia na obra de Glauber Rocha, pesquisa cujas fontes foram publicadas no livro Cartas ao Mundo pela editora Companhia das Letras.
Valorizando o intercâmbio universidade/sociedade, atua ativamente no jornalismo cultural, participa e organiza eventos no campo da cultura, publica ensaios em revistas e jornais (Jornal do Brasil, Folha de São Paulo) e participa regularmente como conferencista em diversos eventos relacionados às áreas de comunicação, cinema e novas tecnologias da imagem.

É autora dos livros Joaquim Pedro de Andrade: a revolução intimista (Ed. Relume-Dumará.1996), Cartas ao Mundo. Glauber Rocha (organização e apresentação), Companhia das Letras, 1997. É co-editora de Cinemais: Revista de Cinema e Outras Questões Audiovisuais e de Lugar Comum: Comunicação e Política, revista de ensaios no campo da comunicação.

Como curadora organizou mostras de cinema e vídeo para o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMa-NY) e Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro e São Paulo.

Apresenta o programa de debate Curta-Brasil, sobre cinema e cultura, na televisão Educativa (TVE) do Rio. Prepara a Mostra Arte e Tecnologia: Corpos Virtuais para o Museu do Telephone-RJ e o livro Da estética a cosmética da fome: sertões e favelas no cinema brasileiro contemporâneo. Está ainda preparando para edição Glauber Jornalista, reunião dos artigos que o cineasta publicou de 1950 a 1980. É casada com o cineasta e fotógrafo brasileiro Arthur Omar.

Vive e mora em Copacabana, na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, a poucos metros do oceano Atlântico, o que considera, afinal, um privilégio tão grande quanto ter passado a infância na beira do rio Amazonas.