- como apontar ao coração de cada instante -

O rigor histórico não está condenado a manifestar-se apenas em prosa de notário ou de verbete enciclopédico. Em VIDAS lusófonas impõe-se que o rigor histórico tenha um impacto de short story. Em consequência, estas são as normas seguidas pelos autores deste site. Só elas puderam dar coesão a textos de autores tão diversos. Podem ser também uma carta de marear para os participantes dos nossos concursos. Meia dúzia de páginas, cada vida - cada conto, apontar ao coração de cada instante:

1. Concisão, dizer MUITO em poucas palavras. Os redundantes Rodriguinhos dizem POUCO em muitas palavras. São uns grandes perdulários...

2. A acção transferida do passado para o presente. Tem mais força relatar o que está a ocorrer, do que o relato do ocorrido.

3. Evidenciar o nó dramático da história que se conta. É ele que amarra o interesse do leitor da primeira à última linha. Antes de escrever a história, tente o autor resumi-la em prosa telegráfica. Esta é a melhor forma de achar o seu nó dramático.

4. Não explicar o porquê da acção. Ela tem que se explicar por si-mesma ou então usa muletas. Ou seja: a prosa é coxa.

5. Fugir das orações intercaladas como o diabo da cruz. Por exagero dizemos: onde está uma vírgula ponha-se um ponto final.

6. Fingir a neutralidade. Em vez de tirar conclusões, o autor deve é encadear os acontecimentos de tal forma que force o leitor a tirar as suas.

7. A rarefacção de adjectivos, os quais, lá na Geral, estão sempre a mandar bocas e por isso travam o desenrolar da acção. Que nos perdoe o Eça de Queiroz, mas libertem-se os substantivos da vampiragem dos adjectivos!


3 regras complementares:

a) Cada biografia deve ter de 18000 a 23000 caracteres. Ou de 3000 a 4000 palavras.

b) À cabeça de cada biografia deve constar um resumo cronológico dos principais eventos em que esteve envolvido o biografado. Esse resumo funciona como o lead de uma notícia e intitula-se QUANDO TUDO ACONTECEU.

c) Cada biografia deve ser dividida em oito, nove ou dez blocos de prosa devidamente titulados.