Editorial
2015-07-18


Embalado no sucesso do coleccionável distribuído pelo jornal Público '80 Vidas que a Morte Não Apaga', da autoria de Fernando Correia da Silva, nasce em 1998 Vidas Lusofónas.

Passado um ano da morte do seu fundador, o site renova agora a sua imagem e implementa novas funcionalidades. Em breve teremos a funcionar um motor de busca e um blogue que dará voz aos nossos leitores. Manteremos a peridiocidade de uma nova biografia por mês e estamos abertos às vossas sugestões.
Aproveitaremos as mais de 29 milhões de visitas para divulgar o trabalho dos nossos colaboradores, concursos literários e eventos culturais.

Que a vossa leitura possa ter o mesmo olhar de Fernando Correia da Silva: “Acho que cada vida tem que ser contada como se fosse um romance. Portanto, morra a prosa de notário! Morra a chatice do verbete enciclopédico!”